Batismo de Desejo Refutado Pelo Mais Antigo Decreto Papal

Atualizado: 18 de jul. de 2021


Em 385 d.C., o Papa São Sirício emitiu um decreto a Himério. Este documento é frequentemente chamado de Carta a Himério. No entanto, foi na verdade um decreto oficial em que o Papa São Sirício usa sua autoridade apostólica, promulga leis, e declara que seu decreto deve ser circulado e observado por todos os sacerdotes e bispos da Igreja Católica. Foi, portanto, um ato autoritário da Santa Sé. O decreto do Papa São Sirício a Himério é, na verdade, o mais antigo decreto papal completamente preservado existente. Havia decretos papais antes do tempo de Sirício (Sirício faz referência a estes), mas seu decreto é o mais antigo que foi completamente preservado. No decreto, o Papa São Sirício faz declarações impressionantes sobre a necessidade do batismo infantil e do batismo de adultos. Ele também rejeita explicita e completamente o conceito de batismo de desejo. Um exame do texto em latim demonstra que, sem sombra de dúvida, o Papa São Sirício (e o ensinamento da Igreja Católica) contradizia a ideia de batismo de desejo.

Os fatos abaixo provam, para qualquer pessoa honesta, que o decreto de Sirício e a Igreja primitiva rejeitaram a ideia de «batismo de desejo» (BDD). No entanto, existem muitas pessoas extremamente desonestas no mundo, incluindo aquelas que afirmam ser «católicas tradicionais». Infelizmente, alguns deles têm tal apego ao conceito de «batismo de desejo» (e a heresia da salvação fora da Igreja) que eles vão negar a existência de qualquer citação ou fato que contradiz o BDD, não importa quão certo existência ou quão claro é o seu ensinamento. Eles perdem toda a credibilidade no processo.

Em relação ao seu fracasso em reconhecer a realidade (isto é, a existência de citações contra sua posição), eles merecem ser comparados aos defensores da homossexualidade que afirmam que a Bíblia não condena o comportamento homossexual. Sim, há muitas pessoas que professam ser «cristãs» e na verdade argumentam que nenhuma passagem aplicável na Sagrada Escritura condena o comportamento homossexual. Eles tentam explicar cada passagem bíblica tipicamente citada sobre o assunto. Eles até defendem sua visão em trabalhos publicados! Isso é um absurdo, você poderia dizer. Bem, como os fatos abaixo demonstram, negar que o decreto do Papa São Sirício contradiz a ideia de «batismo de desejo» é igualmente absurdo.


Convidamos todos que querem a verdade – por exemplo, todos com fidelidade e crença no ensinamento católico e a autoridade que Cristo conferiu a São Pedro e seus sucessores – para considerar cuidadosamente esses fatos. Pedimos-lhes que reflitam sobre o significado e a gravidade deste decreto papal e fatos relacionados com o assunto em questão, e submetam-se à posição católica ditada por eles.

A PARTE CHAVE DO DECRETO

Papa São Sirício, Decreto a Himério, 385 d.C.:

LATIM: «Sicut sacram ergo paschalem reverentiam in nullo dicimus esse minuendam, ita infantibus qui necdum loqui poterunt per aetatem vel his, quibus in qualibet necessitate opus fuerit sacra unda baptismatis, omni volumus celeritate succurri, ne ad nostrarum perniciem tendat animarum, si negato desiderantibus fonte salutari exiens unusquisque de saeculo et regnum perdat et vitam.»

«Assim como dizemos que a santa observância pascal em nada deve ser diminuída, dizemos de igual modo que às crianças que, por causa da sua idade, não sejam capazes de falar, e àqueles que em qualquer inevitabilidade precisem da santa corrente do Batismo, sejam todos socorridos com celeridade, não vá de acontecer que isto tenda para a perdição das nossas almas, caso seja negada a fonte salvífica àqueles que a desejam e cada um destes que deixe o mundo perca tanto o Reino quanto a vida.»

«Quicumque etiam discrimen naufragii, hostilitatis incursum, obsidionis ambiguum vel cuiuslibet corporalis ægritudinis desperationem inciderint, et sibi unico credulitatis auxilio poposcerint subveniri, eodem quo poscunt momento temporis expetitæ regenerationis pæmia consequantur. Hactenus erratum in hac parte sufficiat; nunc præfatam regulam omnes teneant sacerdotes, qui nolunt ab apostolicæ petræm super quam Christus universalem construxit Ecclesiam, soliditate divelli.»


«A quem vir de acontecer encontrar-se no perigo de naufrágio, incursão de um inimigo, incerteza de um cerco [militar] ou desespero de qualquer doença corporal, e ele próprio procure ser socorrido pelo único auxílio de fé, que o mesmo receba os prêmios da mui solicitada regeneração no momento em que a pedir. Quanto aos erros acerca disto, que bastem; a partir de agora, todos os sacerdotes que não queiram ser separados da solidez desta pedra apostólica sobre a qual Cristo construiu a Sua Igreja universal, que mantenham esta referida regra.»

As palavras do Papa são bem claras. Ele rejeita completamente a ideia de «batismo de desejo». Ele começa falando da disciplina para celebrar o batismo de adultos convertidos na época Pascal. O tempo Pascal é quando a Ressurreição é celebrada. Visto que o Batismo é o surgimento do estado de condenação para uma nova vida em Cristo (ver Colossenses 2:12; Romanos 6:3-4; etc.), tornou-se habitual celebrar o batismo de adultos convertidos no tempo Pascal, depois do batismo os catecúmenos não-batizados haviam passado por um período de testes e instrução em preparação para a vida cristã. Tal como este decreto e outros provam claramente, o costume de retardar os batismos de adultos até o tempo Pascal não era incompatível com a posição – e o ensinamento infalível da Igreja – de que todos os que estavam se preparando para o batismo estariam perdidos se morressem antes de recebê-lo. Ninguém pode ser salvo sem o Batismo, tal como Jesus declarou em João 3:5 e a Igreja infalivelmente ensina. Deus pode e vai manter almas de boa vontade e sinceras vivas até o batismo. Ele está no controle.

A prática de batizar adultos convertidos no tempo Pascal (e o costume de um catecumenato prolongado) era disciplinar. Não era um requisito da Tradição Apostólica, como vemos no capítulo 8 de Atos. Ali lemos que Filipe batizou o eunuco de Candace depois de uma breve discussão dos fundamentos da fé cristã. Assim, enquanto declara que a santa observância Pascal deve continuar, Sirício acrescenta que se esses catecúmenos não-batizados se encontrarem em qualquer necessidade, eles devem ser batizados com toda a celeridade – isto é, com toda a rapidez ou imediatamente. Ele então explica por que ele é insistente nesse ponto. Ele declara que eles devem ser batizados imediatamente, em qualquer tipo de necessidade, para que «não vá de acontecer que isto tenda para a perdição das nossas almas, caso seja negada a fonte salvífica àqueles que a desejam e cada um destes que deixe o mundo perca tanto o Reino quanto a vida.» Obviamente, isso contradiz completamente o conceito de «batismo de desejo». O Papa ensina que todos aqueles que desejam o batismo de água, mas morrem sem recebê-lo, não serão salvos.

TOMANDO UM OLHAR MAIS ATENTO AO TEXTO EM LATIM

Para demonstrar ainda mais que o decreto do Papa São Sirício rejeita o batismo de desejo, vamos dar uma olhada com mais atenção em suas palavras.

Papa São Sirício, Decreto a Himério, 385 d.C.:

LATIM: «Sicut sacram ergo paschalem reverentiam in nullo dicimus esse minuendam, ita infantibus qui necdum loqui poterunt per aetatem vel his, quibus in qualibet necessitate opus fuerit sacra unda baptismatis, omni volumus celeritate succurri, ne ad nostrarum perniciem tendat animarum, si negato DESIDERANTIBUS fonte salutari exiens unusquisque de saeculo et regnum perdat et vitam.»

«Assim como dizemos que a santa observância pascal em nada deve ser diminuída, dizemos de igual modo que às crianças que, por causa da sua idade, não sejam capazes de falar, e àqueles que em qualquer inevitabilidade precisem da santa corrente do Batismo, sejam todos socorridos com celeridade, não vá de acontecer que isto tenda para a perdição das nossas almas, caso seja negada a fonte salvífica àqueles que a DESEJAM e cada um destes que deixe o mundo perca tanto o Reino quanto a vida.»


No latim do decreto encontramos a palavra «desiderantibus». Esse é, no plural, o particípio presente no caso dativo do verbo desidero (Eu desejo ou quero). Aqui, desiderantibus literalmente significa: «para aqueles que desejam». O decreto fala assim diretamente sobre catecúmenos não-batizados que desejam o batismo de água. Nessa frase também encontramos «negato… fonte salutari». Isso é um absoluto ablativo – isto é, uma cláusula que geralmente consiste em um substantivo e um particípio modificador no caso ablativo. Aqui o substantivo é «fonte», de fons, que significa: um chafariz; a primavera; uma fonte. «Fonte» refere-se à fonte do batismo. «Salutari» (que significa salvífica) é o adjetivo que acompanha a fonte nesta sentença. «Fonte salutari» significa: «com a fonte salvífica». «Negato» é um particípio passivo perfeito. É do verbo nego: eu rejeito ou recuso. Aqui «negato», um particípio passivo perfeito no caso ablativo, significa «ter sido negado». Então, «negato… fonte salutari», o absoluto ablativo, literalmente significa: «com a fonte salvífica tendo sido negada»; ou, poderia ser traduzido em português fluente como: «se a fonte de salvação for negada». Negada a quem? O Papa diz «desiderantibus», para os que desejam.

Assim, o decreto lida diretamente com casos em que o Sacramento do Batismo está sendo retido, ou negado, àqueles que o desejam (aqueles que o querem). De fato, nesses parágrafos, o Papa usa numerosos verbos para descrever a situação em que as pessoas pedem ou até imploram pelo batismo (por exemplo, poposcerint; expetitae). No entanto, eles estão todos perdidos, ele ensina, se eles não receberem.

O fato é que, se alguém tiver boa vontade, Deus manterá essa pessoa viva até o batismo. Santo Agostinho, Contra Juliano, Livro 5, Cap. 4: «Do número dos eleitos e predestinados, mesmo aqueles que levaram o pior tipo de vida são levados ao arrependimento através da bondade de Deus… Nenhum deles perece, independentemente de sua idade na morte; nunca se diga que um homem predestinado à vida teria permissão para acabar com sua vida sem o Sacramento do Mediador [Batismo]. Por causa desses homens, Nosso Senhor diz: “Esta é a vontade daquele que me enviou, o Pai, para que eu não perca nada do que Ele me deu.”»

Ele é um Deus bom, Todo-Poderoso e justo. Mas o decreto do Papa e o ensinamento da Igreja deixam claro que ninguém é salvo sem o batismo de água, mesmo aqueles que o desejam.

Além disso, acho particularmente interessante que o decreto passe a usar desiderantibus – uma forma particípio de desidero. Tal como uma etimologia mostrará, desidero é o verbo a partir do qual obtemos o verbo inglês «desire» [desejo]. Existem numerosos verbos em latim que poderiam ser usados para transmitir o conceito de como alguém pretende, quer ou deseja algo. De fato, Sirício usa um número deles além do desidero (ou seja, poposcerint; expetitae). No entanto, desidero corresponde mais precisamente ao verbo inglês «desire» [desejo]. Se entendermos o «batismo de desejo» como «batismo por desejo», pode-se ver a conexão precisa entre a referência do Papa a desiderantibus e o conceito de «batismo de desejo» – um conceito que seu decreto rejeita diretamente.

Em outras palavras, não é apenas uma coincidência que o decreto de Sirício usa um particípio de desidero. Deus garantiu que o decreto empregasse uma palavra que correspondesse exatamente ao verbo inglês «desire» [desejo], de modo que a ideia de «batismo de desejo» fosse diretamente rejeitada no mais antigo decreto papal sobrevivente. (Sobre este ponto, veja a seção abaixo sobre o significado deste decreto para os últimos dias.)

O DECRETO DE SIRÍCIO EVIDENTEMENTE PROVA QUE A IGREJA PRIMITIVA REJEITOU O «BATISMO DE DESEJO»


Sirício era um pai da Igreja. Ele era um santo e (o mais importante para esse ponto em particular) ele era um Papa. Ele tinha a autoridade de São Pedro e seus sucessores legítimos. Seu decreto prova, sem qualquer questionamento, que a Igreja primitiva rejeitou a ideia de batismo de desejo. Mesmo que o significado de seu decreto seja bastante claro, alguns defensores obstinados do batismo de desejo são tão desonestos que eles realmente alegarão que seu decreto não contradiz o batismo de desejo. Muitos deles até têm a audácia de afirmar que nenhum pai, santo ou Papa rejeitou a ideia de batismo de desejo. Isso é obviamente absurdo e uma completa mentira. É demolido pelos fatos. O decreto de Sirício por si só – e há muitos outros pontos que poderíamos apresentar – prova que a Igreja primitiva rejeitou o batismo de desejo. Sirício nunca teria ensinado e declarado o que fez se o «batismo de desejo» tivesse sido a crença e o ensinamento da Igreja. A escandalosa desonestidade e deturpação rotineiramente exibida pelos defensores obstinados de «batismo de desejo» é escandalosa e inimaginável.

O Papa até menciona acidentes, eventos inesperados, etc. – as próprias circunstâncias em que as pessoas reivindicam um «batismo de desejo» seriam mais particularmente aplicáveis – e ele nega a ideia de batismo de desejo naquele mesmo contexto.

O PAPA ATÉ MENCIONA ACIDENTES, EVENTOS INESPERADOS, ETC. – AS PRÓPRIAS CIRCUNSTÂNCIAS EM QUE AS PESSOAS REIVINDICAM UM «BATISMO DE DESEJO» SERIAM MAIS PARTICULARMENTE APLICÁVEIS – E ELE NEGA A IDEA DE BATISMO DE DESEJO NAQUELE MESMO CONTEXTO

Nestas passagens o Papa também fala de como tais pessoas, que desejam o batismo de água, podem estar em perigo de um naufrágio, uma incursão inimiga, uma doença ou algo similar. Pode ser um evento súbito ou inesperado que acontece com eles. Ele refere-se a várias necessidades e qualquer tipo de doença corporal.

«Quicumque etiam discrimen naufragii, hostilitatis incursum, obsidionis ambiguum vel cuiuslibet corporalis aegritudinis desperationem inciderint…»


«A quem vir de acontecer encontrar-se no perigo de naufrágio, incursão de um inimigo, incerteza de um cerco [militar] ou desespero de qualquer doença corporal…»

No entanto, o que ele diz sobre o destino das pessoas em tais circunstâncias, que desejam o batismo, mas morrem sem tê-lo recebido? Ele ensina que todos eles perdem o Reino e a vida se saírem deste mundo sem o batismo de água.

«… si negato desiderantibus fonte salutari exiens unusquisque de saeculo et regnum perdat et vitam.»

«… caso seja negada a fonte salvífica àqueles que a desejam e cada um destes que deixe o mundo perca tanto o Reino quanto a vida.»

Ele usa a palavra «unusquisque», que significa «cada um deles» ou «cada um destes», enfatizando o fato de que não há exceções nesta matéria. Se você não consegue ver que isso rejeita completa e totalmente o batismo de desejo, bem, então você é apenas um mentiroso. É também um decreto de um antigo papa e santo da Igreja, no qual ele invoca sua suprema autoridade e aplica seu decreto à Igreja universal.

Sirício declara também que o batismo de água é o «unico credulitatis auxilio» (o único auxílio de fé): a única maneira de ser salvo

SIRÍCIO DECLARA TAMBÉM QUE O BATISMO DE ÁGUA É O «UNICO CREDULITATIS AUXILIO» (O ÚNICO AUXÍLIO DE FÉ): A ÚNICA MANEIRA DE SER SALVO

No parágrafo seguinte, o Papa enfatiza que o batismo de água é o seu único auxílio, a única maneira de serem salvos, sejam eles crianças ou pessoas que desejam o Batismo e encontram-se em perigo, em acidentes, etc.

«Quicumque etiam discrimen naufragii, hostilitatis incursum, obsidionis ambiguum vel cuiuslibet corporalis aegritudinis desperationem inciderint, et sibi unico credulitatis auxilio poposcerint subveniri, eodem quo poscunt momento temporis expetitae regenerationis praemia consequantur. Hactenus erratum in hac parte sufficiat; nunc praefatam regulam omnes teneant sacerdotes, qui nolunt ab apostolicae petrae, super quam Christus universalem construxit Ecclesiam, soliditate divelli.»

«A quem vir de acontecer encontrar-se no perigo de naufrágio, incursão de um inimigo, incerteza de um cerco [militar] ou desespero de qualquer doença corporal, e ele próprio procure ser socorrido pelo único auxílio de fé, que o mesmo receba os prêmios da mui solicitada regeneração no momento em que a pedir. Quanto aos erros acerca disto, que bastem; a partir de agora, todos os sacerdotes que não queiram ser separados da solidez desta pedra apostólica sobre a qual Cristo construiu a Sua Igreja universal, que mantenham esta referida regra.»

Ele refere-se ao batismo de água como o «unico credulitatis auxilio», isto é, «o único auxílio de fé ou crença». Credulitatis, que significa de fé ou crença, é a forma genitiva de credulitas (fé ou crença). De acordo com o ensinamento do Papa, receber o Sacramento do Batismo é o único auxílio de fé. Recebê-lo é a primeira condição, e a única maneira de ser salvo pela fé, como as Escrituras também ensinam.

Colossenses 2:12 – «Tendo sido sepultados com ele no batismo, com ele também ressuscitastes mediante a fé [διὰ τῆς πίστεως – dia tēs pisteōs]…»

Gálatas 3:26-27 – «… porque todos vós sois filhos de Deus pela fé [διὰ τῆς πίστεως – dia tēs pisteōs] em Jesus Cristo, pois todos os que fostes batizados em Cristo, revestistes-vos de Cristo.»

Não existe crença ou fé (uma credulitas) que possa levar a pessoa à salvação sem o batismo de água. É a única maneira de alguém receber a verdadeira fé salvífica. É por isso que a Igreja também ensinou que somente aqueles que receberam o Sacramento do Batismo fazem parte dos fiéis. As palavras «unico auxilio» estão no caso ablativo. Eles são um ablativo de meios ligados ao «subveniri», que aqui significa: “ser socorrido”. Sirício diz que aqueles em qualquer necessidade que imploram pelo Sacramento do Batismo devem ser socorridos «unico auxilio», pelo único auxílio «credulitatis» (de crença). Receber o Sacramento do Batismo é a única maneira de serem salvos.

O ÚNICO AUXÍLIO EXCLUI OUTRAS FORMAS DE SALVAÇÃO E OUTROS CHAMADOS «BATISMOS»

«Unico», que é uma forma de «unicus», significa: «único; primeira e única; incomparável; inigualável». Não pode haver alternativas, nenhum outro tipo de batismo. Receber o batismo de água é a única maneira de ser salvo – para crianças, para aqueles que o desejam, para aqueles que estão em qualquer tipo de situação, necessidade, acidente, doença, etc. Esse é o ensinamento do Papa São Sirício. Esse é o ensinamento da Igreja Católica. É o que encontramos em cada decreto infalível e dogmático da Igreja universal sobre o assunto, embora Deus tenha permitido que erros fossem ensinados sobre esse assunto em fontes falíveis e por homens falíveis.

Papa Clemente V, Concílio de Viena, 1311-1312: «Por esta razão, deve ser confessado por todos os fiéis UM ÚNICO BATISMO que a todos os batizados em Cristo regenera, tal como “há um só Senhor e uma só fé” [Ef. 4:5], QUE É CELEBRADO EM ÁGUA em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo; cremos que esse batismo é comummente o perfeito remédio para a salvação tanto de adultos e como de crianças

Papa Paulo III, Concílio de Trento, cân. 5 sobre o Sacramento do Batismo, sessão 7, ex cathedra: «Se alguém disser, que o Batismo [o sacramento] é livre, e não é necessário para a salvação: seja excomungado

Papa Paulo III, Concílio de Trento, cân. 2 sobre o sacramento do Batismo, sessão 7, 1547, ex cathedra: «Se alguém disser que a água verdadeira e natural não é da necessidade do Batismo; por cuja causa converter em alguma parábola aquelas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo: (João 3:5) se alguém não renascer da água e do Espírito Santo, etc.: seja excomungado

O DECRETO DE SIRÍCIO TAMBÉM SERVE PARA REFUTAR COMPLETAMENTE AS OBJEÇÕES FREQUENTEMENTE PROMOVIDAS PELOS DEFENSORES DE «BATISMO DE DESEJO» DE 1) O CATECISMO DE TRENTO, 2) O CÓDIGO DE 1917 DO DIREITO CANÔNICO, E 3) SUAS FALSAS AFIRMAÇÕES SOBRE O MAGISTÉRIO ORDINÁRIO E UNIVERSAL

Além de vários outros fatos, o decreto do Papa São Sirício, que foi claramente deixado pela providência divina para nossos dias, fornece uma refutação poderosa de três das principais objeções apresentadas pelos defensores de «batismo de desejo». Essas objeções são do Catecismo de Trento, do Código de Direito Canônico de 1917 e de suas falsas afirmações sobre o que o Magistério Ordinário e Universal ensina. Claro, esses argumentos foram refutados antes. No entanto, o decreto de Sirício ainda os devasta porque seu conteúdo pertence especificamente aos princípios que estão no centro dessas objeções.


Em resumo, o decreto de Sirício (que contradiz diretamente o «batismo de desejo», como demonstramos) supera tanto a autoridade do Catecismo de Trento quanto o Código de Direito Canônico de 1917. Também prova que o Magistério Ordinário e Universal ensina exatamente o oposto de «batismo de desejo», enquanto declara que o batismo de água é o único caminho para ser salvo! Isso prova que temos a verdade (e os ensinamentos da Igreja Católica) sobre esse assunto e os defensores do BDD (batismo de desejo) não. Vamos considerar brevemente a relevância do decreto para cada uma das três objeções.

O CATECISMO DE TRENTO

Com relação à objeção do Catecismo de Trento, se você estiver interessado neste assunto e não tiver lido o novo artigo/seção sobre esse assunto na versão atualizada de nosso livro, é uma leitura imperdível. Você pode encontrá-lo aqui: https://www.igrejacatolica.org/catecismo-de-trento-baptismo-de-desejo/. Resumirei um dos principais pontos abaixo, mas o artigo contém muitos outros pontos e fatos. Esses pontos servem para refutar definitivamente a noção de que o ensinamento do Catecismo de Trento fornece apoio magistral para o «batismo de desejo».

Um dos numerosos pontos apresentados na seção atualizada diz respeito à distinção vital sobre o assunto: isto é, que o parágrafo do Catecismo de Trento, que é frequentemente apresentado pelos partidários de «batismo de desejo», não é, na verdade, parte do ensinamento oficial que o Catecismo de Trento identificou como o corpo de doutrina a ser comunicado pelos pastores aos fiéis. Esse ponto é crucial e foi negligenciado pelos apoiadores de «batismo de desejo». Tal como o artigo mencionado prova, por meio de um exame cuidadoso da questão e com muitas citações, APENAS CERTOS PONTOS DE DOUTRINA são especificados pelo Catecismo de Trento como pontos de doutrina que pode, necessita de, ou deve ser comunicados pelos pastores aos fiéis. Nem tudo nas cerca de 500 páginas do Catecismo foi identificado como parte do corpo de doutrina a ser transmitido aos fiéis.

Seguem-se somente algumas citações que provam que nem tudo no Catecismo de Trento faz parte do corpo de doutrina que pode, necessita de, ou deve ser comunicado aos fiéis. Eu poderia fornecer dezenas de outros exemplos.

Catecismo de Trento, «Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos»: «Não deixe o pároco de narrar o fundo histórico deste Artigo, tão exatamente consignado pelos santos Evangelistas.»

Aqui, vemos que o Catecismo informa o pastor que ele não deve omitir este ponto particular. Isso é porque dentro da vasta quantidade de informação contida no Catecismo, há coisas que o pastor poderia omitir. Nem toda a linha ou parágrafo é para ser comunicado aos fiéis.

Catecismo de Trento, sobre tomar o nome de Deus em vão: «Em vista disso, deve o pároco sem mais convencer-se de que não lhe bastará, de modo algum, fazer um apanhado geral da matéria…»

Aqui, o Catecismo confirma que há certas coisas que devem ser ditas aos fiéis. Certas coisas não podem ser omitidas. No entanto, nem tudo no Catecismo necessariamente se enquadra nessa categoria. A sentença acima não faria sentido se tudo contido no Catecismo fosse automaticamente dirigido aos fiéis ou para ser comunicado aos fiéis.

Catecismo de Trento, sobre «Vida Eterna»: «Os pastores devem, por conseguinte, prevenir os fiéis que as palavras “vida eterna” não designam uma simples perpetuação de vida…»

Aqui, uma vez mais, o Catecismo está a identificar um ponto que deve ser transmitido aos fiéis, mas nem tudo no Catecismo se enquadra nessa categoria.

Catecismo de Trento, Palavras Iniciais do Pai Nosso, sobre os Anjos: «Os párocos mostrarão, portanto, como o Anjo dissipou as trevas do cárcere, tocou na ilharga de Pedro, despertou-o do sono…»

Vemos aqui, novamente, que nem tudo contido no Catecismo é para ser transmitido aos fiéis.

PROVA ADICIONAL DE QUE SOMENTE CERTAS COISAS NO CATECISMO FORAM ESPECIFICADAS COMO PONTOS PARA SEREM ENSINADOS AOS FIÉIS; OUTRAS COISAS PODEM SER OMITIDAS

Catecismo de Trento, sobre a Eucaristia: «Devemos, pois, ensinar que só aos sacerdotes foi dado poder de consagrar a Sagrada Eucaristia, e de distribui-la aos fiéis cristãos.»

Catecismo de Trento, «Livrai-nos do Mal»: «Por isso mesmo, já não se faz mister lembrar ao povo fiel, quanto o homem sofre com trabalhos e provações…»

Catecismo de Trento, «sobre o perdão dos pecados»: «Nessa matéria, o pároco deverá ensinar que na Igreja Católica não existe apenas a remissão dos pecados…»

Catecismo de Trento, sobre Indissolubilidade: «Entrementes, não devem os pastores omitir uma salutar advertência de Santo Agostinho.»

Catecismo de Trento, sobre o Credo, «Todo-Poderoso»: «O pároco terá de mostrar que houve sábias e acertadas razões para se omitir no Símbolo os outros atributos divinos, enquanto se propõe à nossa crença este único de Sua omnipotência.»

Catecismo de Trento, sobre os Efeitos da Eucaristia: «Como, porém, não há termos humanos que possam exprimir, adequadamente, suas imensas vantagens e aplicações, os pastores procurarão, pelo menos, tratar um ou outro ponto…»

Isto demonstra claramente que só certas coisas no Catecismo serão transmitidas aos fiéis.

Catecismo de Trento, Artigo II: «De outro lado, o pároco fará ainda ver que o pecado e o seu castigo não se detiveram só na pessoa de Adão…»

Catecismo de Trento, sobre o Credo, «sobre a Trindade»: «… o pároco ensinará que é preciso reter, religiosamente, os termos “essência” e “pessoa” como [os únicos adequado] para exprimir esse mistério. Os fiéis devem ficar sabendo que a unidade está na essência, e a distinção nas pessoas.»

Catecismo de Trento, «Seja feita a Vossa vontade»: «Apesar de não se dever deixar os fiéis na ignorância acerca da importância da presente petição, ainda assim, muitas questões a ela relacionada que dizem respeito à vontade de Deus podem ser saltadas, as quais são discutidas em profundidade e com muita utilidade pelos doutores escolásticos.»

Os fatos acima estabelecem sem sombra de dúvida que de entre a informação contida nas mais de 500 páginas do Catecismo de Trento, somente certos pontos de doutrina são identificados pelo Catecismo como parte do corpo de doutrina que pode, necessita de, ou deve ser comunicado aos fiéis. É assim que o Catecismo está escrito e organizado. Muitos outros exemplos poderiam ser dados para provar ainda mais o ponto. O Catecismo está a dizer aos pastores: devem contar-lhes isso; não podem esquecer daquilo; não devem omitir esta outra coisa; mas não é necessário dizer isso aqui; etc. Esse tipo de afirmações é feito ao longo de todo o Catecismo porque nem tudo o que se encerra no Catecismo é dirigido aos fiéis. Trata-se de informação transmitida ao pároco. Somente certas porções dessa informação são identificadas como aquilo que necessita de ou deve ser inculcado pelos pastores.

O parágrafo do Catecismo frequentemente citado pelos partidários de BDD não é um daqueles pontos que é identificado como uma doutrina a ser passada aos fiéis. Mas adivinha qual é? O ensinamento repetido de que ninguém pode ser salvo sem o Sacramento do Batismo e que toda a Igreja ensinou esta verdade! Aqui estão apenas algumas citações para provar o ponto:

Catecismo do Concílio de Trento, «Matéria do Batismo — a sua adequação», pág. 227: «Ao desenvolver esta doutrina, ensinem os párocos em primeiro lugar que, tratando-se de um Sacramento necessário a todos, sem nenhuma exceção, para conseguirem salvar-se, a água era a matéria mais apropriada…»

Segundo o Catecismo, o que deve ser comunicado aos fiéis pelos pastores é que o Sacramento do Batismo é necessário a todos para a salvação. Ele até enfatiza que ninguém pode ser salvo sem o batismo de água, afirmando: «a água… por se encontrar em toda a parte, e por ficar ao alcance de todos». Isso contradiz o «batismo de desejo». O «batismo de desejo» não é um sacramento, como seus partidários admitem.

Catecismo do Concílio de Trento, «sobre o Batismo — Necessidade do Batismo», pág. 237: «É muito útil, para os fiéis, o conhecimento das verdades que até agora temos ensinado. Urge mais ainda explicar-lhes QUE DEUS IMPÔS A TODOS OS HOMENS UMA LEI, OBRIGANDO-OS A RECEBEREM O BATISMO. Por conseguinte, os que não renascerem para Deus pela graça do Batismo, são criados para a eterna miséria e condenação, quer sejam filhos de pais fiéis, quer de pais infiéis. Devem, pois, os pastores explicar mais vezes aquela passagem do Evangelho: “Se alguém não renascer da água e do Espírito [Santo], não pode entrar no reino de Deus” (João 3:5).»

Observe as referências a «urge mais ainda explicar-lhes», e «devem, pois, os pastores» novamente, vemos que esta é a doutrina que os pastores devem ensinar. O «batismo de desejo» não é, tal como o artigo prova.

Catecismo do Concílio de Trento, Batismo feito obrigatório depois da Ressurreição de Cristo, pág. 231-232: «Todos os escritores eclesiásticos concordam em dizer que foi depois da Ressurreição de Nosso Senhor, quando Ele ordenou aos Apóstolos: “Ide, ensinai todos os povos, batizai-os em nome do Padre, e do Filho, e do Espírito Santo.” Desde então, começou a vigorar a lei do Batismo para todos os homens, que queiram alcançar a eterna salvação… Por conseguinte, não podemos duvidar, de modo algum, que as palavras do Salvador: “Se alguém não renascer da água e do Espírito Santo”— também se referem a esse mesmo tempo, que viria depois de Sua Paixão. Se os pastores forem zelosos na exposição destas verdades, os fiéis não deixarão por certo de reconhecer o insigne valor deste Sacramento…»

Aqui, o Catecismo afirma que todos os escritores eclesiásticos concordam em ensinar que após a Ressurreição, a lei do batismo tornou-se obrigatória para todos; e que, após esse tempo, ninguém pode entrar no Céu sem renascer da água e do Espírito, tal como Jesus ensinou em João 3:5. Isso refuta completamente o argumento de que os defensores de «batismo de desejo» se baseiam na alegada autoridade de um consenso entre os teólogos; pois declara que todos os teólogos (mesmo aqueles que não permaneceram coerentes consigo mesmos nessa questão) articularam uma posição que contradiz o «batismo de desejo»: isto é, que ninguém pode entrar no Céu sem o batismo de água, baseado em João 3:5. Essa é a posição que os escritores católicos ensinaram por unanimidade. De acordo com o Catecismo, a doutrina a ser comunicada pelos pastores aos fiéis é a posição de que, após a Ressurreição, ninguém entre no Céu sem o renascimento da água e do Espírito Santo. É absolutamente verdade que o ensinamento oficial do Catecismo de Trento, a ser comunicado aos fiéis, não é «batismo de desejo», mas o contrário a ele.

O decreto de Sirício, no entanto, fornece um golpe adicional ao argumento do Catecismo de Trento. Isso porque, embora seja mais autoritário do que o Catecismo, o decreto de Sirício realmente trata da mesma questão mencionada no parágrafo não-autoritativo do Catecismo: o «atraso» em batizar os adultos convertidos. Como vimos, num decreto oficial que vincula todas as igrejas e sacerdotes, Sirício menciona a demora em batizar os adultos convertidos e ensina que, mesmo que aqueles catecúmenos adultos que desejam o batismo tenham morrido antes de recebê-lo, todos estão perdidos. O ensinamento oficial da Igreja Católica, portanto, rejeita diretamente o «batismo de desejo» no contexto de discutir a própria questão abordada no parágrafo falível e incorreto do Catecismo de Trento!

O decreto do Papa São Sirício prova que a explicação do Catecismo de Trento para o atraso no batismo de adultos convertidos é simplesmente errada. O parágrafo do Catecismo sobre esse ponto não fazia parte do ensinamento oficial que o Catecismo diz ser comunicado aos fiéis. O decreto de Sirício sobre este assunto é mais autoritário, e seu ensinamento essencial foi repetido em numerosas citações papais (veja abaixo). O decreto de Sirício, entre os muitos outros fatos importantes em nossa seção atualizada sobre o Catecismo de Trento, serve para devastar o argumento avançado pelos defensores de «batismo de desejo» do Catecismo de Trento.

O DECRETO DE SIRÍCIO TAMBÉM REFUTA A OBJEÇÃO DO CÓDIGO DE DIREITO CANÔNICO DE 1917

Como coberto em nosso material, o Código de Direito Canônico de 1917 foi um ato disciplinar para a Igreja Latina, não para a Igreja universal. O Canon 1 do Código de Direito Canônico de 1917 nega (rejeita) uma aplicabilidade universal. Como resultado, o Código carece da infalibilidade prometida por ensinamentos e leis universalmente vinculantes da Igreja Católica. A Igreja é infalível em seus ensinamentos e «leis santíssimas que a todos impõe» (Pio XII, Mystici Corporis).

Papa Pio XII, Mystici Corporis Christi (#65), 29 de junho de 1943: «Sem mancha alguma, brilha a Santa Madre Igreja nos sacramentos com que gera e sustenta os filhos; na fé que sempre conservou e conserva incontaminada; nas leis santíssimas que a todos impõe, nos conselhos evangélicos que dá; nos dons e graças celestes, pelos quais com inexaurível fecundidade produz legiões de mártires, virgens e confessores.»

Isso foi discutido antes. Também é interessante que um defensor proeminente do «batismo de desejo» tenha admitido que nem todo cânon do Código de 1917 goza de infalibilidade.

No entanto, qualquer que seja o defensor de «batismo de desejo», tenta dizer sobre o Código de 1917, o decreto de Sirício prevalece sobre ele. Pois Sirício declara que «todos os sacerdotes… mantenham» (omnes teneant sacerdotes) esta referida regra, «que não queiram ser separados da solidez desta pedra apostólica sobre a qual Cristo construiu a Sua Igreja universal» (qui nolunt ab apostolicae petrae, super quam Christus universalem construxit Ecclesiam, soliditate divelli). De fato, ele faz esta declaração no mesmo parágrafo que rejeita o «batismo de desejo»!

O Papa São Sirício também declarou que seu decreto aplica-se a todos os bispos: «quanto temos dado por resposta à tua consulta, tu o faças chegar ao conhecimento de todos os nossos coepíscopos» (Ut haec quae ad tua consulta rescripsimus, in omnium coepiscoporum nostrorum perferri facias notionem). Seu decreto é o maior e mais autoritário decreto que um Papa pode emitir sobre uma questão de direito da Igreja.

No mínimo, todo defensor de «batismo de desejo» teria que admitir que o decreto de Sirício cancela o argumento do Código de Direito Canônico de 1917 para o «batismo de desejo». Se o Código de Direito Canônico de 1917 provou alguma coisa para o conceito doutrinário de «batismo de desejo», como eles afirmam (e isso não acontece), então o decreto de Sirício se provaria igualmente contra a ideia. Mas o decreto de Sirício é na verdade mais autoritário. Embora a lei puramente disciplinar possa ser mudada, o decreto de Sirício supera o Código de Direito Canônico de 1917 sobre a questão doutrinária em discussão por inúmeras razões.

Primeiro, o Papa declara, de forma específica, que seu decreto (que contém a declaração doutrinária contradizendo o «batismo de desejo») deve ser observado por todos os sacerdotes e bispos sob pena de separação da Igreja, enquanto o Código de 1917 especificamente nega uma aplicabilidade universalmente vinculativa. Em segundo lugar, a natureza universalmente vinculativa do decreto de Sirício é encontrada mesmo no próprio parágrafo que rejeita o «batismo de desejo». Terceiro, como será mostrado abaixo, a doutrina da verdade e princípio no cerne do decreto de Sirício, que declara que receber o batismo de água é o único caminho para os catecúmenos não-batizados em perigo, etc. serem salvos, foi repetido em numerosas declarações papais depois de Sirício. Foi, portanto, o ensinamento consistente da Sé Apostólica sobre este assunto. A Igreja ensinou oficial e repetidamente que o batismo de água é o ÚNICO CAMINHO para alguém ser salvo. Essa verdade não pode ser rejeitada sem rejeitar a fé da Igreja.

O DECRETO DE SIRÍCIO PROVA QUE O MAGISTÉRIO ORDINÁRIO E UNIVERSAL TAMBÉM CONTRADIZ O «BATISMO DE DESEJO» E PROVA NOSSA POSIÇÃO

O decreto de Sirício também demonstra um ponto importante sobre o ensinamento do Magistério Ordinário e Universal. O Magistério Extraordinário, exercido, por exemplo, nos decretos dogmáticos dos concílios universais, declarou que ninguém pode ser salvo sem receber o Sacramento do Batismo. Foi declarado que João 3:5 tem de ser entendido «tal como está escrito»; que há apenas um batismo de água; que somente os fiéis [batizados em água] fazem parte da Igreja; que somente os batizados em água estão sujeitos à Igreja; que o homem tem de ser regenerado para ser justificado (o que contradiz o «batismo de desejo»); que a santificação e a aplicação do sangue de Cristo a uma alma são inseparáveis do batismo de água; etc. O ensinamento do Magistério Extraordinário certamente refuta a ideia de «batismo do desejo». (Ver, por exemplo, os pontos no Apêndice deste artigo.) O Magistério Ordinário e Universal, sendo também infalível, não pode, é claro, contradizer o Magistério Extraordinário.

O decreto do Papa São Sirício prova que o Magistério Ordinário e Universal também rejeitou o batismo de desejo e afirmou a verdade de que ninguém pode ser salvo sem o Sacramento do Batismo. Isso porque seu decreto, que rejeita o batismo de desejo, foi, em virtude de sua ordem, para ser ensinado e repetido por todos os bispos da Igreja (omnium coepiscoporum nostrorum). Isso significa que toda a Igreja e todos os bispos em suas dioceses, seguindo e implementando seu decreto, estariam ensinando o seguinte, a saber:


que “se a fonte salvadora for negada àqueles que a desejam”, “cada um deles, saindo deste mundo, perde tanto o Reino como a vida”;

que se «a fonte salvífica àqueles que a desejam e cada um destes que deixe o mundo perca tanto o Reino quanto a vida»;

que que o batismo de água é «o único auxílio de fé», mesmo para aqueles que estão em “perigo de naufrágio, incursão de um inimigo, incerteza de um cerco [militar] ou desespero de qualquer doença corporal»;

que «todos os sacerdotes» que «não queiram ser separados da solidez desta pedra apostólica sobre a qual Cristo construiu a Sua Igreja universal, que mantenham esta referida regra.»

Continuar a promover o «batismo de desejo», em face destes fatos e deste decreto (entre os muitos outros abordados em nosso material), é simplesmente resistir e rejeitar o mais alto ensinamento da Igreja Católica. É contradizer e negar a verdadeira fé da Igreja.

A ESSÊNCIA DO DECRETO DE SIRÍCIO, QUE CONTRADISSE O «BATISMO DE DESEJO», FOI REPETIDA EM NUMEROSAS DECLARAÇÕES PAPAIS

Como mencionado acima, é importante notar que o decreto de Sirício sobre este assunto foi essencialmente repetido em numerosas declarações do Papa São Leão Magno. A verdade central do que Sirício declarou contra a ideia do batismo de desejo e de qualquer salvação sem o batismo de água, numa lei para a Igreja universal, foi o ensinamento repetido dos papas e da Sé Apostólica sobre este assunto.

Nas duas afirmações seguintes, vemos que o Papa São Leão Magno repetiu, em linguagem muito semelhante, o mesmo ensinamento que encontramos no decreto do Papa São Sirício. Ele, portanto, também negou o conceito de «batismo de desejo».

Papa São Leão Magno, Carta 166, 24 de outubro de 458, nº 1: «Pois, no caso de certos irmãos, descobrimos que alguns dos prisioneiros de guerra, em seu livre retorno a seus próprios lares, tais como os que foram levados ao cativeiro numa idade em que não podiam ter conhecimento seguro de nada, anseiam as águas curativas do batismo, mas na ignorância da infância não se lembra se eles receberam o mistério e os ritos do batismo, e que, portanto, nesta incerteza da lembrança defeituosa, suas almas são colocadas em perigo, desde que sob uma demonstração de cautela elas são negadas uma graça, que é retida, porque se pensa que foi concedida… Consequentemente, as mesmas coisas, que entraram em nossa mente pela inspiração Divina, receberam o consentimento e confirmação de um grande número de irmãos. E assim estamos obrigados, antes de tudo, a considerar que, enquanto nos apegamos a uma certa demonstração de cautela, incorremos numa perda de almas que devem ser regeneradas. Pois quem é tão entregue a suspeitas a ponto de decidir que isso é verdade e que, sem nenhuma evidência, ele suspeita por mera adivinhação? E assim, onde quer que o próprio homem que está ansioso pelo novo nascimento não se recorde de seu batismo, e ninguém possa testemunhar que ele não tem consciência de sua consagração a Deus, não há possibilidade de que o pecado se infiltre, visto que, até agora como seu conhecimento vai, nem o doador ou recebedor da consagração é culpado… E assim, sempre que tal caso ocorrer, primeiro peneire-o com uma investigação cuidadosa e gaste um tempo considerável, a menos que seu último fim esteja próximo, perguntando se não há absolutamente ninguém que, por seu testemunho, possa auxiliar a ignorância do outro. E quando se estabelece que o homem que requer o Sacramento do Batismo é impedido por uma mera suspeita infundada, que ele venha corajosamente para obter a graça, da qual ele não tem consciência de nenhum traço em si mesmo. Tampouco precisamos ter medo de abrir a porta da salvação que não foi mostrada como tendo sido inserida antes

Observe que nesta passagem ele ensina que as pessoas que devem ser regeneradas (os catecúmenos não-batizados), que até mesmo «anseiam as águas curativas do batismo», perderão suas almas se não receberem o batismo de água. Não há «batismo de desejo». Receber o Sacramento do Batismo é a única maneira de ser salvo. Esse é o ensinamento da Sé Apostólica. A citação abaixo expressa a mesma posição.

Papa São Leão Magno, Carta 16, 21 de outubro de 447, nº 6: «Em caso de necessidade, qualquer tempo é permitido para o batismo. Portanto, como está claro que estas duas épocas [Páscoa e Pentecostes] das quais temos falado são épocas legítimas para batizar os eleitos na Igreja, nós os advertimos, amados, a não associar outros dias a esta observância. Porque, embora existam também outras festas às quais muita reverência é devida em honra de Deus, contudo uma exceção racional e mística deve ser observada por nós para este principal e maior sacramento: não proibindo, entretanto, a licença para socorrer aqueles que estão em perigo, administrando o Batismo a eles a qualquer momento. Pois enquanto nós adiarmos os votos daqueles que não são pressionados por problemas de saúde e viverem em segurança pacífica para essas duas festas intimamente conectadas e relacionadas, não vamos em momento algum recusar isto, que é a única salvaguarda da VERDADEIRA SALVAÇÃO para qualquer um em perigo de morte, na crise de um cerco, na angústia da perseguição, no terror do naufrágio.»

Nesta passagem, observe seu ensinamento explícito de que, para os catecúmenos não-batizados em «perigo de morte», receber o batismo de água é a única maneira de ser salvo. É «a única salvaguarda da verdadeira salvação»! Não há «batismo de desejo». Não existe. Esse é o ensinamento da Igreja Católica. Considere também como semelhante a sua linguagem sobre «a crise de um cerco… a angustia da perseguição… o terror do naufrágio» é do decreto de Sirício que rejeitou o «batismo de desejo». Tal como a Igreja Católica ensina em cada documento de fé e moral aplicável à Igreja universal, a única maneira de alguém ser salvo é receber o batismo de água. Aqueles que obstinadamente negam isso são hereges. Aqueles que têm a audácia não apenas de negar essa verdade, mas até de proclamar herética ou mortalmente pecaminosa para aderir a essa verdade (que é a posição de quase todos os sacerdotes «tradicionalistas» em nossos dias), trazem para si uma condenação ainda maior.

A AUTORIDADE PECULIAR DO DECRETO DE SIRÍCIO E SEU SIGNIFICADO PARA NÓS AGORA NOS ÚLTIMOS DIAS

A autoridade do decreto do Papa São Sirício precisa ser enfatizada. Como vimos, foi emitido para a Igreja Católica com a plenitude da autoridade de Sirício. Nele, o Papa repetidamente faz referência ao seu supremo cargo apostólico e invoca sua autoridade. Ele deixa claro que o que ele declara é obrigatório. Ele diz que seu decreto deve ser enviado e observado por todas as igrejas, todos os bispos e todos os sacerdotes. Seu decreto é o maior e mais importante decreto sobre questões de direito da Igreja que um Papa pode emitir. Incorporado dentro de sua lei e seu decreto está o ensinamento de que todos os que desejam o batismo de água, que morrem sem obtê-lo, estão perdidos; e que receber a fonte salvífica do batismo de água é a única maneira de as pessoas serem salvas, sejam elas crianças, aqueles que desejam o batismo ou aqueles que têm alguma necessidade.

NÃO É APENAS UMA COINCIDÊNCIA QUE O MAIS ANTIGO DECRETO PAPAL SOBREVIVENTE É AQUELE QUE REJEITA EXPLICITAMENTE A IDEIA DE «BATISMO DE DESEJO»; DEUS FEZ COM QUE ISSO ACONTECESSE

Não é apenas uma coincidência que este decreto papal em particular, que rejeita completamente a ideia de batismo de desejo usando o próprio verbo desidero, e afirma a verdade da absoluta necessidade do batismo de água para a salvação, declarando que é o único auxílio para aqueles em qualquer perigo, acontece de ser o mais antigo decreto papal sobrevivente em nossos dias. Pois o que caracteriza nosso período, isto é, a Grande Apostasia e os últimos dias, é a rejeição da necessidade do Batismo, bem como a rejeição da necessidade de incorporação em Jesus Cristo e na Igreja Católica para a salvação. É simplesmente um fato que em nossos dias a falsa doutrina do batismo de desejo está no centro dessa rejeição. Deus providenciou que o decreto do Papa São Sirício, que nega o batismo de desejo, seria o decreto que subsiste nos últimos dias e se destaca em nosso período como o mais antigo.

Em Sua providência, Deus decidiu que no período caracterizado pela falsa doutrina de batismo de desejo e a negação da necessidade de incorporação à Igreja, o mais venerável decreto do Papa em toda a história, do ponto de vista da época, seria um que contém uma clara rejeição do batismo de desejo e uma afirmação da verdade de Jesus Cristo de que ninguém pode ser salvo sem renascer da água e do Espírito no Sacramento do Batismo (João 3:5).

Colocando de outra forma: se alguém quisesse descobrir o que os Papas e o Papado, exercendo a autoridade dada por Jesus Cristo a São Pedro e seus sucessores, ensinaram histórica e autoritariamente sobre a necessidade do batismo de água e a ideia de «batismo de desejo», o mais antigo decreto papal sobrevivente seria um bom lugar para começar; e nela se encontra uma clara rejeição da falsa doutrina do batismo de desejo.

A propósito, deve-se notar que a famosa epístola aos Coríntios do Papa Clemente foi, é claro, anterior ao decreto de Sirício. Datado do primeiro século e aproximadamente do ano 95 d.C., foi um bom exemplo de primazia e autoridade papal na Igreja primitiva. Outros documentos também são. Na epístola aos Coríntios, a Igreja de Roma (liderada por Clemente) usou sua autoridade para comandar a Igreja em Corinto de várias maneiras. Esse foi um exemplo de como a Igreja de Roma exerceu autoridade sobre outras igrejas no período mais antigo da história da Igreja. No entanto, a epístola de Clemente não foi um decreto sobre os pontos da lei da Igreja, no sentido estrito do termo que mais tarde passou a ser aplicado a tipos específicos de documentos papais. Dessas cartas decretais, o decreto do Papa São Sirício é o mais antigo que foi completamente preservado.

JESUS CRISTO É O PRIMEIRO E O ÚLTIMO: NO FIM, PODEMOS OLHAR PARA O PRINCÍPIO​​

Jesus Cristo é o Alfa e o Ômega (Apocalipse 22:13), o Primeiro e o Último, o Começo e o Fim. A fé que Ele revelou não muda. Ele prometeu estar com a Sua Igreja até a consumação do mundo (Mateus 28:20). Perto do fim do mundo, quando a Igreja é confrontada com multidões que abandonaram o dogma católico sobre a necessidade da Igreja para a salvação, geralmente com a desculpa de «batismo de desejo», podemos olhar para o princípio: para o mais antigo decreto papal que temos, e podemos encontrar nele uma refutação específica da falsa doutrina de batismo de desejo.

Tal como estes fatos demonstram, a verdadeira Igreja professa apenas um batismo de água. Ela professa que João 3:5 tem de ser entendido «tal como está escrito». Ela professa que o batismo de água é o único auxílio para a salvação. É isso que o verdadeiro remanescente e os verdadeiros crentes de nossos dias professam. Aqueles que não assumem essa posição e alinham-se com esse ensinamento quando apresentados a esses fatos, não fazem parte da verdadeira Igreja. Eles não têm a verdadeira fé.

APÊNDICE – OUTROS DECRETOS E FATOS MAGISTRAIS/DOGMÁTICOS SOBRE O

ENSINAMENTO DA IGREJA SOBRE O BATISMO

A IGREJA CATÓLICA PROFESSA UM ÚNICO BATISMO DE ÁGUA (NÃO «TRÊS BATISMOS»)


Papa Clemente V, Concílio de Viena, 1311-1312: «Por esta razão, deve ser confessado por todos os fiéis um único batismo que a todos os batizados em Cristo regenera, tal como “há um só Senhor e uma só fé” [Ef. 4:5], que é celebrado em água em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo; cremos que esse batismo é comummente o perfeito remédio para a salvação tanto de adultos e como de crianças

Papa Clemente V, Concílio de Viena, Decreto #30, 1311-1312: «Uma vez que há tanto para regulares e leigos, para superiores e súbditos, para isentos e não isentos, uma Igreja universal, fora da qual (omnino) não há (nullus) salvação (salvatur), e há para todos esses um só Senhor, uma fé, um batismo…»

A IGREJA CATÓLICA PROFESSA QUE UMA PESSOA DEVE RENASCER DA ÁGUA E DO ESPÍRITO PARA SER SALVA (QUE CONTRADIZ O «BATISMO DE DESEJO»

Papa Eugênio IV, Concílio de Florença, «Exultate Deo», 22 de Novembro de 1439: «O primeiro lugar entre os sacramentos o ocupa o santo Batismo, que é a porta da vida espiritual; por ele nos fazemos membros de Cristo e do corpo da Igreja. E havendo pelo primeiro homem entrado a morte em todos, se não renascermos pela água e o Espírito” como diz a Verdade, “não podemos entrar no reino dos céus” [João 3:5]. A matéria deste sacramento é água verdadeira e natural.»

Papa Paulo III, Concílio de Trento, cân. 5 sobre o Sacramento do Batismo, sessão 7, ex cathedra: «Se alguém disser, que o Batismo [o sacramento] é livre, e não é necessário para a salvação: seja excomungado

Papa Paulo III, Concílio de Trento, cân. 2 sobre o sacramento do Batismo, sessão 7, 1547, ex cathedra: «Se alguém disser que a água verdadeira e natural não é da necessidade do Batismo; por cuja causa converter em alguma parábola aquelas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo: (João 3:5) se alguém não renascer da água e do Espírito Santo, etc.: seja excomungado

A IGREJA CATÓLICA PROFESSA QUE RECEBER O BATISMO DE ÁGUA É O ÚNICO CAMINHO PARA SER SALVO, INCLUINDO AOS ADULTOS QUE DESEJAM O BATISMO DE ÁGUA E ESTÃO EM PERIGO, ACIDENTES, ETC. (QUE CONTRADIZ O «BATISMO DE DESEJO»)

Papa São Sirício, Decreto a Himério, 385 d.C.: «Assim como dizemos que a santa observância pascal em nada deve ser diminuída, dizemos de igual modo que às crianças que, por causa da sua idade, não sejam capazes de falar, e àqueles que em qualquer inevitabilidade precisem da santa corrente do Batismo, sejam todos socorridos com celeridade, não vá de acontecer que isto tenda para a perdição das nossas almas, caso seja negada a fonte salvífica àqueles que a desejam e cada um destes que deixe o mundo perca tanto o Reino quanto a vida. A quem vir de acontecer encontrar-se no perigo de naufrágio, incursão de um inimigo, incerteza de um cerco [militar] ou desespero de qualquer doença corporal, e ele próprio procure ser socorrido pelo único auxílio de fé, que o mesmo receba os prêmios da mui solicitada regeneração no momento em que a pedir. Quanto aos erros acerca disto, que bastem; a partir de agora, todos os sacerdotes que não queiram ser separados da solidez desta pedra apostólica sobre a qual Cristo construiu a Sua Igreja universal, que mantenham esta referida regra

Papa São Leão Magno, Carta 16, 21 de outubro de 447, nº 6: «Em caso de necessidade, qualquer tempo é permitido para o batismo. Portanto, como está claro que estas duas épocas [Páscoa e Pentecostes] das quais temos falado são épocas legítimas para batizar os eleitos na Igreja, nós os advertimos, amados, a não associar outros dias a esta observância. Porque, embora existam também outras festas às quais muita reverência é devida em honra de Deus, contudo uma exceção racional e mística deve ser observada por nós para este principal e maior sacramento: não proibindo, entretanto, a licença para socorrer aqueles que estão em perigo, administrando o Batismo a eles a qualquer momento. Pois enquanto nós adiarmos os votos daqueles que não são pressionados por problemas de saúde e viverem em segurança pacífica para essas duas festas intimamente conectadas e relacionadas, não vamos em momento algum recusar isto, que é a única salvaguarda da verdadeira salvação para qualquer um em perigo de morte, na crise de um cerco, na angústia da perseguição, no terror do naufrágio.»


O ENSINAMENTO MAGISTERIAL DE TODAS AS ENCÍCLICAS PAPAIS SOBRE A QUESTÃO É NINGUÉM É SALVO, OU ESTÁ NA IGREJA DE CRISTO, SEM RECEBER O SACRAMENTO DO BATISMO (QUE CONTRADIZ O «BATISMO DE DESEJO»)

Papa Pio XI, Quas Primas, (#15), 11 de dezembro de 1925, sobre a entrada no reino de Deus: «… este reino nos é proposto tal que os homens se preparam a entrar nele fazendo penitência, e não podem nele entrar se não pela fé e pelo batismo, o qual, embora sendo um rito externo, todavia significa e produz a regeneração interior…»

Papa Pio XII, Mediator Dei, (#47), 20 de novembro de 1947: «… o lavacro do batismo distingue os cristãos e os separa [christianos omnes] dos outros que não foram lavados na água purificadora e não são membros de Cristo…»

Papa Pio XII, Mystici Corporis Christi (#22), 29 de junho de 1943: «… Como membros da Igreja contam-se realmente só aqueles que receberam o lavacro da regeneração e professam a verdadeira fé…»

A IGREJA ENSINA DOGMATICAMENTE QUE NINGUÉM RECEBE JUSTIFICAÇÃO/SANTIFICAÇÃO SEM O BATISMO DE ÁGUA (QUE CONTRADIZ O «BATISMO DE DESEJO»)

Papa São Leão Magno, carta dogmática a Flaviano, Concílio de Calcedônia, 451: «Que ele ouça o que o bem-aventurado Apóstolo Pedro prega, que a santificação pelo Espírito é efetuada mediante a aspersão do sangue de Cristo (1 Pedro 1:2); e não o deixeis esquivar-se das palavras do mesmo apóstolo, sabendo que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver recebida de vossos pais, não a preço de coisas corruptíveis, de prata ou de ouro, mas pelo precioso sangue de Cristo, o cordeiro sem defeito e sem mancha (1 Pedro 1:18). Nem deverá ele resistir o testemunho do bem-aventurado Apóstolo João: e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado (1 João 1:7); e outra vez, Esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus? Este Jesus Cristo é aquele que veio pela água e pelo sangue; não com água somente, mas com água e com sangue. E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. Com efeito, são três os que dão testemunho: o Espírito, a água e o sangue, e estes três são uma e a mesma coisa (1 João 5:4-8). POR OUTRAS PALAVRAS, O ESPÍRITO DA SANTIFICAÇÃO E O SANGUE DA REDENÇÃO E A ÁGUA DO BATISMO. ESTES TRÊS SÃO UM E PERMANECEM INDIVISÍVEIS. NENHUM DELES É SEPARÁVEL DO SEU ELO COM OS OUTROS.»

A IGREJA DOGMATICAMENTE ENSINA QUE SOMENTE OS FIÉIS SÃO SALVOS; QUE O HOMEM TEM DE SER REGENERADO PARA SER JUSTIFICADO; QUE SOMENTE AQUELES SUJEITOS AO ROMANO PONTÍFICE SÃO SALVOS; E QUE NÃO SE PODE FAZER DOS FIÉIS OU TER SUJEIÇÃO AO ROMANO PONTÍFICE SEM O BATISMO DE ÁGUA. TODOS ESSES FATOS, ENTRE OUTROS, REFUTAM A FALSA IDEIA DE «BATISMO DE DESEJO».


 

Referências:

Tradução de "The Latin Text of the Oldest Surviving Papal Decree Rejects “Baptism of Desire” - Pope St. Siricius", escrito por Ir. Pedro Dimond.











'

37 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo