Que é "Alma da Igreja"?

Atualizado: 18 de jul. de 2021


OBJEÇÃO: É possível pertencer à “Alma” da Igreja sem pertencer ao seu Corpo. Deste modo, aqueles que morrem como membros de religiões não-católicas podem unir-se à Igreja e serem salvos, tal como explica o Catecismo de Baltimore (1921):

"Pergunta. 512. De que modo tais pessoas pertencem à Igreja?

Resposta. Tais pessoas pertencem à “Alma da Igreja”, isto é, são realmente membros da Igreja sem o saberem. Aqueles que participam dos seus sacramentos pertencem ao corpo ou à parte visível da Igreja".

RESPOSTA: A heresia da Alma da Igreja é destruída por um exame do ensinamento católico. A heresia da Alma da Igreja consiste no ensinamento de que uma pessoa pode ser salva noutra religião ou sem a fé católica mediante a união à Alma da Igreja, mas não ao Corpo. (Esta heresia corre desenfreada e é mantida por multidões de leigos e sacerdotes “tradicionalistas.”) Os propagadores desta heresia são forçados a admitir que a pertença ao Corpo da Igreja só pode vir através do Batismo.

A “Heresia da Alma da Igreja” será agora refutada por um sólido estudo de vários pronunciamentos magisteriais.


Em primeiro lugar, esta heresia tem a sua raiz numa má concepção do verdadeiro significado do termo “Alma da Igreja”. A Alma da Igreja é o Espírito Santo. Não é uma extensão invisível do Corpo Místico que inclui os não-batizados.

Papa Pio XII, Mystici Corporis, 29 de Junho de 1943: “… Leão XIII, de imortal memória, na encíclica ‘Divinum Illud,’ [expressou isto] por estas palavras: ‘Que seja suficiente afirmar isto: tal como Cristo é a Cabeça da Igreja, o Espírito Santo é a sua Alma’”[1].


Em segundo lugar, a Igreja é essencialmente (isto é, na sua essência) um Corpo Místico.

Papa Leão X, Quinto Concílio de Latrão, Sessão 11, 19 de Dezembro de 1516: “... o corpo místico, a Igreja (corpore mystico)…”[2].

Papa São Pio X, Editæ sæpe (#8), 26 Maio de 1910: “… a Igreja, o Corpo Místico de Cristo…”[3].

Papa Leão XII, Quod Hoc Ineunte (#1), 24 de Maio de 1824: “… o Seu Corpo Místico”[4].


Portanto, ensinar que uma pessoa pode ser salva sem pertencer ao Corpo é ensinar que uma pessoa pode ser salva sem pertencer à Igreja, uma vez que a Igreja é um corpo. E isso é sem dúvida HERÉTICO.

Um homem só pode estar ou dentro da Igreja ou fora da Igreja. Ele não pode estar simultaneamente dentro e fora do Corpo. Não existe um terceiro domínio no qual a Igreja exista — uma Alma invisível da Igreja. Aqueles que dizem que é possível ser salvo por pertencer à Alma da Igreja, não pertencendo ao seu Corpo, negam a unidade indivisa da Alma e Corpo da Igreja; o que é análogo a negar a unidade indivisa das naturezas Divina e Humana de Cristo.

Papa Leão XIII, Satis Cognitum (#3), 29 de Junho de 1896: “Por esta razão, a Igreja é frequentemente referida nas Sagradas Letras como um corpo, e também como corpo de Cristo… Disto segue-se que estão em erro pernicioso aqueles que, retratando uma Igreja à medida de seus desejos, imaginam-na oculta e invisívelAmbas as concepções são igualmente incompatíveis com a Igreja de Jesus Cristo, assim como tanto o corpo quanto a alma são incapazes de por si só constituírem um homem. A conexão e união de ambos os elementos é absolutamente necessária à verdadeira Igreja assim como o é a união íntima da alma com o corpo à natureza humana. A Igreja não é uma espécie de cadáver: é o Corpo de Cristo animado com a sua vida sobrenatural”[5].

A negação da união do Corpo e Alma da Igreja leva à heresia de que a Igreja é invisível, o que foi condenado pelos papas Leão XIII (acima), Pio XI [6] e Pio XII [7].

Em terceiro lugar, o argumento mais forte contra a heresia da “Alma da Igreja” segue logicamente dos dois já discutidos. A terceira prova é que o magistério infalível da Igreja Católica definiu que pertencer ao Corpo da Igreja é necessário para a salvação!


O Papa Eugênio IV, na sua famosa bula Cantate Domino, define que a unicidade do corpo eclesiástico (eclesiastici corporis) é tão importante que ninguém pode salvar-se fora deste, mesmo que derrame o seu sangue pelo nome de Cristo. Isto destrói a ideia de que uma pessoa pode salvar-se por pertencer à Alma da Igreja sem pertencer ao seu Corpo.

Papa Eugênio IV, Concílio de Florença, “Cantate Domino”, 1441, ex cathedra: “A Santa Igreja Romana crê firmemente, professa e prega que nenhum dos que estão fora da Igreja Católica, não só pagãos como também judeus, heréticos e cismáticos, poderá participar na vida eterna; mas que irão para o fogo eterno que foi preparado para o demônio e os seus anjos [Mat. 25:41], a não ser que a Ela se unam antes de morrer; e que é tão importante a unicidade do corpo da Igreja (eclesiastici corporis) que só aos que nela permanecem lhe aproveitam, para a salvação, os sacramentos da Igreja e [lhes] dão prêmios eternos os jejuns, as esmolas e as demais obras de piedade e os exercícios do dever cristão. E que ninguém, por mais esmolas que dê, ainda que derrame seu sangue pelo Nome de Cristo, pode salvar-se se não permanecer no seio e na unidade da Igreja Católica”[8].

Esta definição do Papa Eugênio IV demole a “Heresia da Alma da Igreja.” O Papa Pio XI também a destrói.

Papa Pio XI, Mortalium Animos (#10) 6 de Janeiro de 1928: “Pois, uma vez que o Corpo Místico de Cristo é um só, compacto e adequadamente conexo à semelhança do Seu corpo físico, seria tolice e absurdo afirmar que o Corpo Místico é composto de membros separados e desunidos: quem, portanto, não está unido ao Corpo não é Seu membro e nem está em comunhão com Cristo, Sua cabeça”[9].

Fica assim refutada a “Heresia da Alma da Igreja.”


Papa Leão X, Quinto Concílio de Latrão, Sessão 11, 19 de Dezembro de 1516, ex cathedra: “Uma é, com efeito, a Igreja Universal dos regulares e seculares, dos prelados e súbditos, dos isentos e não isentos, fora da qual absolutamente ninguém se salva, e todos eles têm um Senhor e uma fé. Por isso, é conveniente que, pertencendo ao mesmo corpo, tenham também uma e a mesma vontade…”[10].
Papa Clemente XIV, Cum Summi, (#3), 12 de Dezembro de 1769: “O corpo da Igreja é um; Jesus Cristo é a sua cabeça, e é n'Ele que nós todos formamos uma só coisa”[11].
 

Referências:

[1]. Denzinger, The Sources of Catholic Dogma, B. Herder Book. Co., Thirtieth Edition, 1957, 2288.

[2]. Decrees of the Ecumenical Councils, Sheed & Ward and Georgetown University Press, 1990, Vol. 1, p. 639.

[3]. The Papal Encyclicals, by Claudia Carlen, Raleigh: The Pierian Press, 1990, Vol. 3 (1903‐1939), p. 117.

[4]. The Papal Encyclicals, Vol. 1 (1740‐1878), p. 205.

[5]. The Papal Encyclicals, Vol. 2 (1878‐1903), p. 388.

[6]. Papa Pio XI, Mortalium Animos (# 10), 6 de Janeiro de 1928.

[7]. Papa Pio XII, Mystici Corporis Christi (# 64), 29 de Junho de 1943.

[8]. Denzinger 714; Decrees of the Ecumenical Councils, Vol. 1, p. 578.

[9]. The Papal Encyclicals, Vol. 3 (1903‐1939), p. 317.

[10]. Decrees of the Ecumenical Councils, Vol. 1, p. 646.

[11]. The Papal Encyclicals, Vol. 1 (1740‐1878), p. 160.

Retirado do Cap. 18 (A Heresia da Alma da Igreja), do livro "Fora da Igreja Católica Não Há Absolutamente Salvação" escrito por Ir. Pedro Dimond.

39 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo